sexta-feira, 16 de abril de 2010

Opiniões procuram-se!

Este tema pode ser um bocado idiota, mas depois de ontem ter ouvido um "esse mundo onde tu vives não existe", fiquei a pensar seriamente nesta treta. Mas alguém que me ature um bocadinho, sim?
Ora bem, em casos de infidelidade, de casos amorosos e afins, sei que quem "deve" é quem for comprometido. Isto é, inventando nomes: o Raimundo e a Inácia namoram ou estão casados ou vivem juntos. É indiferente. A Ermelinda, que sabe que eles são comprometidos, "vai de se atirar ou receber atiranço" do Raimundo. Quem deve fidelidade é o Raimundo à Inácia, certo? Mas culpados não são os dois, isto é, o Raimundo e a Ermelinda? É que, na minha opinião de crente, a Ermelinda não é isenta de culpa nem inocente. Eu ainda sou do mundo em que existe alguma cortesia entre o mesmo sexo, sendo que acredito que pessoa X comprometida não está no mercado. Estou errada?
Se a Ermelinda não soubesse da situação de comprometimento do Raimundo, ainda podia ser mais uma "vítima"... Mas sabendo, não é assim tão inocente.
Opiniões precisam-se.

11 comentários:

by "A Invisível" disse...

Querida Crente;

A senhorita Ermelinda, sabendo das coisas como sabe, na minha opinião, é uma pessoa sem carácter absolutamente nenhum! - desculpa, mas não tenho outra opinião, menos "crua"... :) :)

Beijinho e óptimo dia* Sim? :) :)

Crente disse...

Minha Invisível (ainda que virtualmente hehe):
Exactamente! Mas ontem disseram-me que não, que o único culpado seria o Raimundo, porque ele é que é comprometido! Se a senhorita Ermelinda sabe, também é culpada. Ainda que não deva nada à Inácia directamente, deve por ser mulher. É a tal teoria do "não faças aos outros o que não gostarias que te fizessem"!
Eu já estava a pensar que eu era a única a pensar assim... ainda bem que existes miúda :)

Ana C. disse...

Pondo-me no lugar da mulher do Raimundo, quem me magoaria mais sem sombra de duvida seria o meu marido. A não ser que a Ermelinda fosse a minha melhor amiga.
É claro que por princípio homens casados deveriam estar riscados da lista de hipóteses de uma mulher, mas as coisas não são sempre lineares. Tu não sabes o que é que a Ermelinda ouviu do Raimundo: Ai que a minha mulher é um horror, estou tão infeliz no casamento, vamos separar-nos. Só tu é que me realizas e mesmo sabendo que o Raimundo é casado a Ermelinda, carente e apaixonada, vacila e alinha.
Não estou a desculpar comportamentos, mas simplesmente a dizer-te que na vida nem toda a gente tem força para resistir quando está apaixonada. E nem toda a gente consegue agarrar-se a princípios firmes de caracter da mesma forma...

Crente disse...

Ana:
Percebo o que dizes.. Claro que a Ermelinda pode/poderia ou não estar apaixonada. Mas isso faz com que tenha menos culpa?
É que eu acho que a Ermelinda, estando consciente da situação do Raimundo e avançando na mesma para a relação, apaixonada ou não, terá a sua quota parte de culpa. Não num sentido de divisão de culpa, que não acredito em meias culpas...
Eu acredito que é preciso estar no lugar da Ermelinda para saber o que sente, claro. Não digo que agiu bem ou mal. Só digo é que também tem culpa do sucedido. Não?
Bjs

Prezado disse...

Culpa culpa... Isso é tão relativo e fácil de ditar sentença. Aí o Raimundo é que tem de saber com que linhas se cose. A partir daí...

Quantas relações é que começam assim?

Crente disse...

Olha ele!
Vá, caro Prezado, acredito que consiga desenvolver mais o tema. Eu não digo que a Inácia vá pedir satisfações à Ermelinda. Só acho é a Ermelinda não é isenta de culpa. Porque sempre me disseram que para dançar um tango são precisos 2 :)

Brisa disse...

A Ermelinda deveria ter sido uma senhora e respeitar quem já é comprometido. Porém, ela não deve nada a ninguém. Portanto, se há nesta história algum culpado esse será sempre o Raimundo que, vendo-se diante de uma tentação, nem mais se lembrou de que tinha princípios que o uniam a outra pessoa. Ele poderia sempre ter dito que não.

Prezado disse...

Para dançar um tango são precisos dois, grande frase. É verdade, mas geralmente a culpa fica para um, conforme quem julga o caso.

Em todo o caso, a Ermelinda não tem culpa, tem é vontade. Foi à luta, não é? Estamos a falar de amor, o motor mais forte da nossa vida, ou de outra coisa? não caberá a mim dizer qual dos dois amores deve vencer...

Crente disse...

:) Esta história, toda ela, e fictícia. Embora já a tenha visto acontecer muita vezes. É-me completamente indiferente quem fica com quem, quem merece ou não. Só quero é saber se concordam que a Ermelinda também tem culpa pela traição do Raimundo. Ainda tentei arranjar nomes muito estranhos, mas foi o melhor que consegui hehehe - mas é tudo fictício! Eu vou bem de amores, obrigada!

margarida disse...

É indiferente se a Ermelinda estava apaixonada, se lhe apareceu nua à frente, se sabe que é casado ou não. Foi a Ermelinda como podia ter sido a Anastácia. A culpa é dele, que está numa relação e deve fidelidade. Claro que a Inácia quando descobrir não deixará de lhe chamar (À Ermelinda) uns quantos nomes dos feios, mas nunca deverá esquecer que quem lhe deve alguma coisa, principalmente respeito, é o Raimundo.
Nós, mulheres, temos o hábito de minimizar a culpa dos homens, não pode ser! ;)

(obrigada, estou aqui deitada muito quieta - tirando as mãos, claro está - a ver se passa)

Crente disse...

Eu confesso que sou daquelas que culpa toda a gente... Mas não minimizo a culpa de ninguém. Acho errado quem ajuda a trair, seja pelas razões que forem.