quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Halloween

De manhã, o Mr. vestiu-se de fantasma. Mas está frio e toca de lhe enfiar um casaco.
Mr - Oh mãe, os fantasmas não usam casaco...
C - Claro que usam, se não ficavam doentes.
Mr - Mãe, os fantasmas não ficam doentes porque já estão mortos. Além do mais, na realidade os fantasmas não existem.

Ora toma para não te armares.

Ontem

quando fui buscar o Mr. à escola:

C - Como correu o dia?
Mr - Correu bem!
C - Então?
Mr - Não fui o último.

Memória ruim, não?

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Castigo? Mas porquê?

Ao jantar, o Mister decide catar uma ervilha do belo arroz e atirá-la na minha direcção.
É a piada dos 5 anos, sim. Preparem-se os pais que têm crianças ainda pequenas.

C - Que ideia foi essa?
Mr - Era a brincar...
C - Pois... Agora, de presente, ganhaste o direito a ir para a cama sem ver desenhos animados.
Mr - Mas eu falhei... não te acertei de propósito!

Ah, bem. Então não deve fazer mal.

A sério?

Conversa de tolos

O costume, portanto.

Chego à escola, para o ir buscar. Ali fica-se à porta e vêm nos entregar as respectivas crias.
Ontem, para variar, cheguei cedo. Eram 18h10.

Esta conversa decorre ao mesmo tempo em que vamos para o carro, o sento na cadeira, coloco-lhe o cinto e vou-me sentar também e etc etc...

Mister chega ao pé de mim:
Mr - Foi o meu pior dia de sempre!
Crente - Então porquê?
Mr - Fui o último menino a sair! Já só estavam lá os grandes....
C - Mas eu cheguei cedo.
Mr - Fui o último!
C - Mas eu cheguei cedo.
Mr - Fui o último!
C - Mas eu cheguei cedo.
Mr - Fui o último!
C - Mas eu cheguei cedo.
Mr - Fui o último!
C - Mas eu cheguei cedo.
Mr - Fui o último!
Cr - Ok. Então desculpa.
Mr - Porquê?
Cr - Por teres sido o último.
Mr - Mas tu chegaste cedo.

A sério??


segunda-feira, 29 de outubro de 2012

E agora que está frio

fiquei com tantas saudades das férias...


Mister and Commander

Mister - Quando eu não estou, manda o papá.
Comandante - E quando tu estás?
Mr - Mando eu.
Crente - Então e eu?
Mr - Tu já mandas em mim. Não te chega?

Família Eco-Ponto

Mister, ao entrar no carro, dá uma cabeçada no tejadilho do mesmo:
Crente - Oh filho... Tem cuidado. Andas sempre distraído e a bater em todo o lado... Depois o que é que eu faço com um filho estragado?
Mister - Reciclas!

terça-feira, 5 de junho de 2012

As notícias

Começando pelas más:
- o pai do Comandante acabou por falecer no mês passado. Sim, era esperado, mas não para já. Tinha 69 anos feitos este ano.
- o meu avô paterno faleceu no mês passado. Com 92 anos. Coleccionava avc's como os miúdos coleccionam cromos.
- engordei 3,5 kg
- começaram a fazer obras lá em casa, ainda à custa da garantia. A parte má é que pararam e deixaram as coisas a meio.

As boas:
- o Natal foi lá em casa, com muita família, incluindo a minha mana que está em Inglaterra - foi a primeira vez que vi o meu cunhado e sobrinha ao vivo (e a primeira vez que a pequena andou foi comigo hehehehe)
- sou tia de um sobrinho lindo nascido em Janeiro. Sou desnaturado porque vou visitá-lo poucas vezes. Mas ele é muito fofo e vai saber que eu sou a tia mais gira assim que me puser a vistinha em cima com mais assiduidade.
- estamos os 7 lá de casa bem de saúde: os 3 bípedes e os 4 quadrúpedes.

Planos:
- tenho de fazer a vistoria ao meu armário à minha roupa (que não cabe no meu armário e ocupo o resto do espaço nos armários dos homens lá de casa...)
- aproveitar e passar um ano sem comprar roupa... meio ano. Ok, 3 meses?
- ter mais um rebento
- perder os 3,5 kg
- insultar os trolhas para que acabem o serviço que começaram - os buracos já lá estão há tanto tempo que já consigo passar por eles sem reparar que lá estão...
- passear os canídeos de manhã e à noite

Acho que está tudo.

6 meses

Pois... Hmmm... Desculpas a sério, não tenho. São as mesmas de sempre.
É a vida que se põe à frente,se enrola por dentro de nós e nos faz tropeçar por fora. Ou ao contrário.
É o trabalho a mais (não me queixo do trabalho, mas do cansaço) que ainda não me deixou tirar férias este ano. e as correrias a que obriga.
É a família e os laços que se ganham e se perdem.
É a casa e suas obras, pó e falta de empregada doméstica (e sem dinheiro para ela).
É o excesso de preguiça e a falta de vontade.
É querer mudar e não saber bem o quê.
É ver o tempo a passar demasiado rápido.
Deve ser dos 33 anos que fiz nos entretantos...
Mas voltei.
Meio ano é muito tempo.