sexta-feira, 16 de julho de 2010

Alienação parental

Esta merda dá para provar? Ontem tive de ter uma conversa com o filhote. Tudo começou com uma conversa que, ao fim de 5 minutos, já estava percebida. Ora ele não tinha percebido. Além do mais, com 3 anos, há muita coisa que não se percebe. Resume-se ao "o pai B disse".
Então, que foi que ele disse, perguntam vocês.
Disse:
"a mãe não gosta de ti"
"o comandante não é teu pai e não gosta de ti"
"quando não estás fico muito triste"
"não podes ir para casa da mãe porque ela não quer"
"a mãe não tem saudades tuas porque não está sozinha, está com o comandante"

Nem digo o resto, que não vale a pena.

Lá expliquei e tentei dar a volta da melhor maneira. Que o pai B estava a brincar. Expliquei que ele pode gostar da mãe e dos pais - sim, pais, porque ter dois pais é uma sorte. Que o Gepeto também não é mesmo pai do Pinóquio, mas que mesmo assim gostam muito um do outro e o Pinóquio o chama de pai. E que todos nós gostamos dele igual. Que pode estar uns dias em casa da mãe e outros dias em casa do pai B - que assim estamos todos contentes e felizes. Que quando está lá. pode ver a avó e os tios. E quando está cá vê a outra avó e os outros tios. E perguntei-lhe se o pai B dizia coisas más da mãe - e disse-me que sim. Perguntei o contrário - disse-me que não. Então expliquei o que é mentir, já que anda na febre do Pinóquio.
Resposta:
- Se o papá B volta a dizer isso então vai-lhe crescer o nariz!
Vai filho, mas não faz mal. O papá B gosta muito de ti, mas às vezes distrai-se e diz coisas feias... Não fiques chateado com ele, não ligues... O pai B também está a crescer e a aprender...

Dá-me uma raiva! Queria era dizer-lhe "meu filho, o teu pai B é um f.... da p...! E quando cresceres vai quebrar-te o coração. E se tivesse dois dedinhos de testa via a merda que está a fazer e o mal que isso te faz.

Mas sorri. E fingi que está tudo bem... Não é justo.

7 comentários:

@na disse...

custa tanto esta parte. Sei tão bem do que falas. manipular as crianças é tão baixo...
Também, tal como tu, engoli muitas vezes em seco e dei a volta à questão.
Tenho esperança que se no meio destas andanças pelo menos se tornem adultos mais atentos e razoáveis.
Força :)

Crente disse...

@na: obrigada!
Tenho tanto receio que tudo isto deixe sequelas no miúdo... Melhora com o tempo?
Bjs e obrigada pela visita!

só 1 mulher disse...

E foi o melhor que fizeste, explicar o que foi possível, e não valorizar, para não dares um nó na cabecinha do piqueno... como não podemos ensinar pessoas a serem adultos, há que cuidar com amor dos nossos filhos, e pai que tem uma atitude dessas ou similar, não pode dizer que ama o filho, porque não ama... e tem essas atitudes para atingir a mãe...

Explica-lhe as situações, da forma mais isenta que conseguires, isso é o correcto... um dia quando ele crescer e entender, fará o seu juízo de valor... até lá.. há que engolir sapões gordos e verdes... mas tem calma que um dia tudo melhora... e com calma vais lá chegar...

1 beijinho cheio de força

Paula disse...

Gostei imenso do teu exemplo do Pinoquio... foi de grande qualidade da tua parte... para além de que tudo o que disseste foi de uma mãe que AMA verdadeiramente o filho... porque todos nós sabemos que mais cedo ou mais tarde, as crianças iram tirar as suas próprias conclusões... e poderão dizer (pelo menos do teu lado): a minha mãe nunca falou mal do meu pai...

Na cabecinha deles tanto a mãe como o pai são super importantes e ao minarmos esse relacionamente seremos apenas nós as lesadas...
Eles são mais inteligentes do que nós pensamos, acredita!

A mim também me custa quando o meu filho mais pequeno me pergunta: "não vejo o meu pai há tanto tempo porquê...?" ... e o pior é que eu não acredito que vá ver o pai durante uns bons anos...e não por culpa minha e sim porque o pai não quer saber dele...

É triste!

Sê e dá sempre o teu melhor, os outros que dêm o deles, que o teu pequerrucho irá entender tudo um dia!

Beijinhos doces****

Dudu disse...

E isso é ser mãe, amar, cuidar e proteger. Mesmo quando a vontade é esganar alguém pelo mal que está a fazer. Parabéns porque na tua posição nem todas as mães conseguem ter esse discernimento.

Brisa disse...

Que outra atitude poderias ter? Tu não és igual ao traste do pai B dele... Marca a diferença, enche-o de amor e de mimo e de palavras meigas, porque disparates qb já ele ouve do outro lado. Bjs!

Crente disse...

Obrigada a todos! É que às vezes penso que por ser a boazinha me vou queimando. Mas não consigo mesmo descer ao nível do pai B, vendo eu o mal que faz ao nosso filho. Enfim... há malta de merda, perdoem-me o português...
Beijos